sábado, 30 de julho de 2016

Impotentes. Microcefalia e Lisencefalia

Come and See Me - PARTYNEXTDOOR
Na minha cabeça há uns meses

Quando era criança, quis ser médica. Queria ser heroína, mas hoje em dia vejo que um médico é ordinário e não herói, muitas vezes impotente.

Em 2016, continuam a existir doenças cuja cura ou solução são incontornáveis pela ciência, como por exemplo a história de uma mulher estar grávida durante os habituais 9 meses e ninguém se aperceber que algo de muito errado se passa com o bebé.

Esta é a história de uma familiar minha. É horrível e toca-me bastante. É revoltante saber que a tecnologia evolui, a ciência evolui e ainda assim, sermos surpreendidos com terríveis notícias.
A Lia é uma menina linda de 20 meses e foi diagnosticada com microcefalia - doença em que tamanho da cabeça é consideravelmente mais pequeno do que seria suposto - e lisencefalia - o cérebro da Lia apresenta uma ausência das circunvoluções normais do cérebro.

Durante os 9 mesinhos que esteve na barriguinha da mãe, por mais estranho que pareça, ninguém se apercebeu de algo fora do normal com a Lia.

Lá está, não somos heróis e os médicos também não, em certas coisas, somos impotentes.

Foi só quando a Lia nasceu, que médicos perceberam e deram a terrível notícia aos pais, de que a Lia é muito deficiente, que não ouvirá, não verá, não falará e não andará… Para terminar o choque, foi ainda dito que a pequena Lia viveria por muito pouco tempo.

Que dor é esta que imagino… Não posso sentir nem um quarto do que os pais da Lia possam ter sentido ao ouvir isto, é um bebé… O bebé deles, a criança cujo futuro já teriam imaginado, que parece desmoronar assim, de um momento para o outro.
Imagino muito o “E se fosse comigo”… Quem me conhece sabe bem o meu desejo de ser mãe no futuro, e sei, apesar de não poder prever nada, o difícil que seria para mim esta situação. É de facto horrível.

Se fosse comigo, tentaria ao máximo não desistir.
Se fosse comigo, pediria ajuda a quem me é próximo, amigos, família…
Se fosse comigo, contava com a ajuda de quem quer que seja que me possa ajudar.
Se fosse comigo, fazia por ser forte pela minha filha e lutar sempre.

Não é comigo, mas serei aquela pessoa que ajuda como pode e por isso aqui estou agora… A pedir a vossa ajuda e de quem puder de qualquer forma, ajudar a Lia e família.

Os tratamentos são muito, mas muito caros, e é com muita terapia que a Lia poderá vir a ter uma vida melhor… Qualquer criança que venha ao mundo merece a oportunidade de viver uma vida certo? CERTO!

Podem ajudar contribuindo monetariamente, podem ajudar partilhando o caso da Lia e podem ajudar com muito positivismo.

Podem estar a pensar: “Porquê ajudar a Lia e não outras pessoas que tenham doenças igualmente complicadas e com tratamentos igualmente caros?”

Para mim, uma pessoa não salva o mundo mas de pequenas coisas se fazem as grandes, este caso é próximo de mim e não poderia ficar indiferente, peço apenas que ajudem como puderem a princesa Lia.

Conheçam melhor a Lia aqui, e nesta mesma página, podem partilhar ou fazer uma contribuição (são todas bem vindas, mesmo que seja de 0,01€).


Obrigada.

1 comentário:

  1. Ser mãe não é propriamente um objetivo que tenha... mas no caso de vir a acontecer não sei como reagir num desses casos...
    Segui também o teu blog <3
    http://blog-flor-mar.blogspot.pt/

    ResponderEliminar