domingo, 24 de julho de 2016

Senti(n)do de (o) humor

Don't let me down - The Chainsmokers
Na minha cabeça há 2 meses

O sentido de humor é das formas mais básicas de falar livremente e de forma espontânea, é algo que surge, é algo em que, ou somos nós que fazemos uma piada, ou aceitamos/recusamos uma piada. Sentido de humor, não é maldade e não é bullying, se for é porque não sentido de humor.

Sentido de humor é, por vezes arriscar, sentindo a “plateia”, é preciso saber o que dizer e o que não dizer, no momento certo… Medir a sensibilidade da coisa, pode, muitas vezes, ser considerado algo de mau tom, mas não suposto, afinal de contas, é só sentido de humor. O ponto-chave é: “Se não tens nada de bom para dizer, não digas nada.” A minha querida mãe sempre me disse isto, também adoro roubar-lhe a citação, nem sempre obedecendo, gosto imenso de falar e por vezes o meu cérebro envia as palavras para a minha boca antes mesmo de pôr o pé no travão. Isto já não é espontaneidade, é precipitação, mas existe sempre a palavra “desculpa” recuperar este tipo de situações, afinal de contas, ninguém é perfeito certo?

Todos os dias, vejo o sentido de humor nas pessoas, e acho absolutamente fantástico, porque vejo pessoas, não só a sorrir, mas a rir, e o riso é tão contagioso... Vejo em momentos no trabalho, vejo em momentos com amigos, vejo quando vou ao bar ou refeitório, vejo quando vou ao supermercado… É engraçado, por vezes, encontrar-mos estas coisas que acontecem na vida do dia-a-dia normal de uma pessoa, e não nos apercebemos no impacto que tem, eu pelo menos arrisco-me a dizer que tem um impacto forte, pois deixa as pessoas mais bem-dispostas, certo?

É sempre bom ver as pessoas bem-dispostas, porque brincam ou abraçam os seus sentidos de humor, é sempre bom não nos levarmos tão a sério, mesmo que sejamos pessoas sérias.

Para mim, um ótimo exemplo disso é o meu pai. Quando me perguntam como é o meu pai, acho sempre piada descrever com a palavra “austero” (aprendi esta palavra no sétimo ano, numa aula de português enquanto líamos um dos livros obrigatórios, e lembro-me perfeitamente da professora estar a descrever a palavra e eu simplesmente pensar “É O MEU PAI!!!”, desde então, eu descrevo “austero” como “o meu pai”). Sou a primeira filha do meu pai e, pelas histórias que oiço da minha família, assim que o meu pai soube que ia ter uma filha, mudou completamente, tornando-se num homem muito mais sério e obstinado. Ele sempre teve uma enorme proteção para comigo, e sempre quis manter aquela figura de pai autoritário e respeitável, quase que temível (o objetivo era de facto que eu tivesse uma educação disciplinada e regrada, e assim foi), mas eu sei, que é um homem muito sério, e que se leva muito a sério (talvez até demais), mas sabe-me sempre tão bem quando lhe arranco gargalhadas, quando o ponho a rir… Neste sentido somos completamente diferentes, eu sempre a brincar e o meu pai sempre sério, mas sabe bem quebrar isso de vez em quando.

Problema de comunicação. É o fruto de quando as pessoas não se entendem, é frustrante até. Ultimamente tem-me acontecido com algumas vezes, posso adaptar-me e moldar-me aos outros, mas também não quero mudar como sou...

É por causa desta questão do problema de comunicação que digo que, por vezes, o sentido de humor é arriscar, porque as pessoas podem estar em polares diferentes do espectro e simplesmente não se entenderem, ou então, as pessoas podem simplesmente não estar para aí viradas, ou então, tocaste num ponto sensível que as outras pessoas não vão apreciar, ou então, repetiste demasiadas vezes a mesma piada e escalaste-a, e as outras pessoas simplesmente fartam, entre mil e um outros exemplos diferentes. É curioso algo tão simples, poder gerar um problema.

Para mim, a solução deste pequeno problema, será sempre, não sendo palhaços, não nos levarmos tão a sério e desfrutar todos aqueles pequenos momentos, ao longo do dia, que nos fazem sorrir e até mesmo rir, principalmente às segundas-feiras, esse dia tão difícil logo depois de um fim de semana.

Termino este post como já terminei antes outro, e com uma citação que todos nós gostamos:

“Façam o favor de ser felizes!”
Raúl Solnado

Acompanhem-me também no Facebook, Instagram e YouTube



8 comentários:

  1. Gostei imenso do post! :) Excelente*

    http://10metrosdouniverso.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Disseste uma grande verdade
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. É verdade! As pessoas precisam de sorrir mais, rir mais com o mundo e contagiar aqueles à sua volta! Claro que nem sempre é fácil, mas temos de tentar ver o lado positivo da vida e tentar manter o foco nos bons momentos. :)

    R: Muito obrigada! Este comentário foi a primeira coisa que li depois de acordar, fez o meu dia! :D
    É verdade, sendo a vida feita de sucessivas mudanças, temos de aproveitar cada momento da melhor maneira.

    http://myblogtwtme.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  4. Que post tão lindo! Identifico-me a 100%. E a tua descrição então, pareço eu: viciada em sushi, quer também o vício no fitness e vida saudável e muitos devaneios para escrever.

    Touché!
    thebrunettetofu.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  5. Já tentei seguir o teu blog, mas diz sempre erro :/ não estou a conseguir ..

    ResponderEliminar